Engajamento no aprendizado: o que é e como alcançar

Estar engajado em alguma tarefa significa dedicar atenção significativa a ela. As pessoas podem se envolver profundamente em muitas coisas: esportes, hobbies, estudos e também no trabalho. E, quanto melhor as pessoas se sentem em relação a tarefa que estão realizando, mais focadas elas ficam em realizá-la bem. Por isso, o engajamento tem sido muito discutido e estudado no ambiente de trabalho e na aprendizagem.

Pessoas engajadas se sentem motivadas a se esforçarem mais e melhorarem a si mesmas. Esse tipo de pessoa procura ativamente maneiras de aumentar seu desempenho e desenvolver conhecimentos e habilidades em suas áreas de interesse. Dessa forma, o engajamento desempenha um papel importante em todas as esferas da vida, incluindo o desenvolvimento pessoal, a satisfação com a vida profissional e a qualidade das relações pessoais. Mas alguns pesquisadores acreditam que o papel mais crucial do engajamento se dá na área da aprendizagem. 

O que o engajamento tem a ver com a aprendizagem? 

Muitos acreditam que nunca devemos parar de aprender porque a vida nunca pára de nos ensinar lições. Da tecnologia à culinária, o mundo moderno continuamente nos mostra novas maneiras de fazer, ver e criar coisas. Então, para lidar com esse contexto, devemos ser capazes de nos envolver em aprender sempre, de forma recorrente. De acordo com o Glossário da Reforma Educacional americana, o engajamento na aprendizagem é “o grau de atenção, curiosidade, interesse, otimismo e a paixão que os alunos demonstram quando estão aprendendo ou sendo ensinados. ”  

Os alunos engajados são mais dedicados, motivados e propensos a ter sucesso. Eles muitas vezes se tornam grandes empreendedores, que colocam seus aprendizados em prática e continuam a desenvolver suas habilidades além do que são formalmente ensinados. Por outro lado, quando os alunos são desengajados, eles se tornam “perdidos”, aproveitam qualquer oportunidade para se esforçarem minimamente e distanciam-se da experiência de aprendizado e de seus colegas. 

Ao mesmo tempo, as crescentes demandas de tecnologia e as distrações das mídias sociais empurram a atenção dos alunos em direções opostas. Isso deixa pouco espaço para se concentrar em experiências de aprendizagem significativas. A boa notícia é que todos esses fatores negativos podem ser mitigados. Antes de tomar qualquer ação, é importante entender que a responsabilidade de alcançar o envolvimento do aluno não depende apenas dos próprios alunos. Os designers instrucionais e instrutores devem desenvolver uma compreensão mais profunda sobre como aumentar o engajamento no aprendizado e como evitar a perda de interesse dos alunos.  

O que significa engajamento no aprendizado? 

A maioria das organizações e instituições de ensino acreditam que o engajamento é essencial para o aprendizado, mas poucos compreendem seu verdadeiro significado. O engajamento do aluno se tornou uma palavra de ordem, mas ainda é confundido com um conjunto de conceitos diferentes, mas relacionados. 

O que é engajamento do aluno?

O engajamento do aluno é uma medida que reflete a quantidade e qualidade de a participação de um aluno em seus cursos e todos os outros aspectos do seu programa educacional. Ou seja, o engajamento do aluno é a medida de uma experiência de aprendizado potencialmente bem sucedida para todos os stakeholders envolvidos. Um aluno engajado é ativo em sua aprendizagem, ansioso para participar, disposto a gastar esforço e inspirado. Na prática, isso se manifesta por meio do cumprimento de prazos, participação em espaços colaborativos (como fóruns de discussões) e produção de resultados excelentes. Por outro lado, se um aluno apenas completa suas tarefas mas não participa de outras atividades e possui resultados ruins, então é provável que ele não esteja engajado.

Adicionar diversão ao ambiente de aprendizagem interfere no engajamento?

É verdade que o ser humano gosta de diversão e procura diversão nas suas atividades. Segundo Werback e Hunter, a diversão não é limitada ao entretenimento, mas é algo que pode ser explorado no ambiente de trabalho. As seguintes ações podem estar associadas à diversão: ganhar, triunfar sobre outras pessoas, resolver desafios ou problemas, explorar, trabalhar em equipe, obter reconhecimento e recompensa, colecionar coisas, receber surpresas, compartilhar coisas, dar presentes, exercer algum papel, customizar o ambiente, folgar e relaxar. Porém, nem toda pessoa compartilha o mesmo sentimento em relação à diversão. O que é considerado diversão para uma pessoa pode ser encarado como algo inquietante ou perturbador para outra. 

Adicionar diversão ao ambiente de aprendizagem por meio de vídeos bem humorados, recompensas, rankings e outros elementos gamificação pode gerar engajamento apenas em um nível superficial. Por isso é importante ter cuidado ao planejar o ambiente de ensino de forma a promover uma experiência de aprendizado de qualidade, onde o engajamento se sustente a longo prazo. Alunos realmente engajados desfrutam de recursos divertidos, mas também se sentem mais motivados para adquirir novos conhecimentos e habilidades do curso. Falamos sobre os 4 fatores que aumentam o engajamento na EAD em outro artigo que pode ser acessado aqui.

As 3 dimensões de engajamento 

Engajamento não é igual a um interruptor, que pode estar ligado ou desligado. Ele pode ocorrer simultaneamente em vários níveis. Existem 3 níveis de engajamento: o cognitivo, o emocional e o comportamental. 

O nível cognitivo

O envolvimento cognitivo requer que os alunos se sintam bem com seu trabalho e sua capacidade de dominar novos conhecimentos. O aluno engajado no nível cognitivo adota uma abordagem ativa e comprometida com as estratégias de aprendizado. Por exemplo, ele desenha mapas mentais para organizar informações recém-adquiridas, toma a iniciativa de representar o que aprendeu em seu próprio contexto e emprega diversas estratégias de aprendizado para absorver informações da forma mais eficiente possível e melhorar seu desempenho. 

O nível emocional

O envolvimento em um nível emocional ocorre quando o aluno se sente conectado a outras pessoas, sente-se comprometido com o treinamento e possui baixos níveis de ansiedade. Às vezes, os alunos podem se sentir isolados durante sua jornada de aprendizado e, portanto, emocionalmente desengajados. É muito provável que esses alunos se sintam desvinculados dos objetivos do curso. Prevenir esses sentimentos e promover o envolvimento emocional pode ser alcançado por meio do projeto cuidadoso do conteúdo que está sendo ensinado. Muitas vezes, a forma com que se ensina é mais importante do que o conteúdo. Um aluno que recebe uma explicação sobre por que sua formação é importante e como poderia melhorar seu trabalho com os outros é mais propenso a se envolver com o conteúdo emocionalmente. Para aumentar o envolvimento emocional e prevenir sentimentos de ansiedade e isolamento, organizações devem fornecer uma metodologia de ensino que incentive emoções positivas, além de escolher ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) que incentivem colaboração como fóruns e webinars. 

O nível comportamental

O envolvimento comportamental é mais fácil observar. Alunos envolvidos em relação ao comportamento completam suas atividades e participam de eventos e fóruns sociais. Porém, cabe ressaltar que o engajamento comportamental é também a forma mais superficial de engajamento. Completar o conteúdo e as atividades de um curso não é o mesmo que reter ou aplicar novos conhecimentos. Sem os engajamentos cognitivo e emocional, os alunos podem completar um curso inteiro sem melhorar suas habilidades e conhecimentos. Isso é especialmente verdadeiro para os alunos adultos, que costumam considerar um treinamento como sendo uma responsabilidade extra ou outra obrigação a ser feita, e tendem a realizá-lo com o mínimo de engajamento.

A gamificação, quando bem planejada, é capaz de promover os três níveis de engajamento necessários ao bom aprendizado. Se você quiser conferir mais sobre gamificação e como ela pode ser implantada com sucesso na educação corporativa on-line, baixe nosso e-book aqui. Ele aprofunda sobre casos de sucesso, os diferentes perfis de alunos e as melhores mecânicas de gamificação para aumentar o engajamento. 

Muitas plataformas de ensino, especialmente EAD, que usam gamificação apresentam apenas pontos, medalhas e rankings para promover o engajamento comportamental. Porém, usar apenas essas mecânicas não ajuda as pessoas a terem um senso real de comprometimento e motivação intrínseca capaz de mudar seu comportamento e permitir o engajamento de longo prazo. Os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) devem ser projetados cuidadosamente para que os investimentos em treinamento tragam resultados e não sejam vistos apenas como custos.

Caso você queira conhecer mais sobre soluções de educação corporativa EAD com gamificação, entre em contato com um dos nossos consultores gratuitamente, sem compromisso

Nos companhe

Siga-nos no YoutubeFacebook, TwitterLinkedIn e Instagram, estamos sempre disponibilizando conteúdo gratuito de qualidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *