3 níveis de comprometimento no trabalho

Existem três níveis de comprometimento, descubra qual é o seu. 

Todos os dias os gestores são cobrados a promover maior engajamento nas suas equipes, e os profissionais são cobrados a serem mais engajados na sua forma de trabalhar. Já falamos sobre os fatores que influenciam a motivação e engajamento no trabalho em outro artigo que pode ser acessado aqui. O que você não sabe é que todas as pessoas podem ser comprometidas, mas de formas diferentes. Existem 3 níveis de engajamento ou de comprometimento, e cada pessoa pode estar em um nível diferente.

Comprometimento Afetivo

O nível mais profundo de comprometimento (ou engajamento) é aquele em que o colaborador da empresa “veste a camisa” e defende a empresa com unhas e dentes. A esse nível de engajamento chamamos de comprometimento afetivo. A pessoa entende a proposta do negócio e se engaja porque os valores são muito próximos dos seus próprios valores. Para chegar nesse ponto há um grande trabalho por parte da gestão, desde o momento do recrutamento, seleção e integração da pessoa na empresa. Poucos gestores dedicam esforços nessas etapas da gestão de pessoas, e isso pode trazer consequências ruins em termos de comprometimento.

Para entender mais sobre todas as ações que os gestores devem prestar atenção no ciclo de gestão de pessoas, assista grátis às 3 primeiras aulas do curso online de Liderança e Gestão de Equipes clicando aqui.

Comprometimento Normativo

Um segundo nível de engajamento se chama comprometimento normativo. Neste nível, a pessoa executa seu trabalho, desde que se sinta obrigada. Se ninguém pedir, ela não realiza o trabalho, mas se pedirem, ela realiza o trabalho direito. Pessoas nesse nível de comprometimento estão comprometidas com a obrigação. Certamente não é o sonho de consumo dos gestores, mas já é um comprometimento, concorda?

Comprometimento Instrumental

O terceiro nível de comprometimento é chamado comprometimento instrumental. Essa palavra está relacionada a “fazer o uso de alguma coisa como instrumento de sua conveniência”. Quando a pessoa está frustrada, ela faz as coisas, desde que ela veja alguma vantagem nisso. Existem pessoas no mercado que estão tão desencantadas no trabalho, que só executam suas tarefas SE (alguma coisa). Se você está se sentindo assim, é importante repensar seus dias no trabalho. Faz sentido passar os dias frustrado no trabalho, mesmo que seja por motivos legítmos? Será que as pessoas não se enganarão a seu respeito vendo você dessa forma? Não existiria forma de mudar essa situação por meio de conversas e feedbacks?

Teste em que nível de comprometimento a pessoa está

Para verificar se a pessoa está instrumentalmente comprometida ou afetivamente comprometida, tire a vantagem dela por um tempo. Se ela continuar se movimentando, é engajamento. Se ela parar, é apenas instrumental. No caso do comprometimento instrumental, é importante conversar com as pessoas nesse nível de engajamento para determinar as causas, e procurar soluções para que essas pessoas migrem seu estado de engajamento, especialmente se a pessoa for competente e gerar valor para a empresa.

A gestão de pessoas é uma das 10 habilidades principais que qualquer profissional deve desenvolver, segundo o relatório Future of Jobs do World Economic Forum. Todos os dias você está lidando com pessoas, fazendo parte de uma equipe ou interagindo com pessoas para que os objetivos e metas da sua empresa sejam cumpridos. Logo, muitas vezes, habilidades de integração de pessoas, desenvolvimento e preparação para mudança, reconhecimento e até mesmo gestão do clima podem fazer parte das suas responsabilidades. Se tiver interesse de saber mais a respeito, baixe nosso e-book interativo sobre Gestão de Pessoas de Forma Eficaz clicando aqui.

Saiba mais sobre os três níveis de comprometimento com o vídeo abaixo da consultora e professora Roselúcia Mafia.

Assista aulas GRÁTIS sobre o assunto

Para se aprofundar mais sobre gestão de pessoas, você pode assistir grátis às 3 primeiras aulas do curso online de Liderança e Gestão de Equipes, que discute sobre os cuidados para o crescimento e alavancagem das carreiras dos membros das equipes no dia a dia, desde o primeiro momento, o recrutamento, seleção e integração das pessoas, passando pelas questões de desenvolvimento, depois o monitoramento dessas pessoas no dia a dia, questões de recompensa e manutenção do clima. Clique aqui, veja o conteúdo do treinamento online e clique em Experimentar grátis!

Nos acompanhe

Siga-nos no YoutubeFacebook, TwitterLinkedIn e Instagram, estamos sempre disponibilizando conteúdo gratuito de qualidade!

Publicações relacionadas


Você sabe a diferença entre bando, grupo, equipe e time? Em termos de performance para uma empresa, existe uma grande diferença entre formar um bando, um grupo, uma equipe ou um time de pessoas.  É senso comum que a performance de qualquer empresa é fortemente influenciada não apenas pela capacidade individual das pessoas que nela trabalham, como t...
Qual é a diferença entre o chefe e o líder? Qual é a diferença entre o líder e o chefe? Chefes são pessoas que possuem subordinados. Como tal, sua responsabilidade é alcançar os objetivos estratégicos e operacionais da empresa em que trabalham, e só é possível fazer isto com gente motivada. Assim, todo chefe tem que gostar de pessoas e ter ta...
Entender de GENTE é um DIFERENCIAL COMPETITIVO A responsabilidade de cuidar das pessoas dentro da organização é sim do gestor imediato. No século XXI a área de recursos humanos tem um papel relevante, mas o gestor imediato, além de tudo o que deve entregar - que não é pouca coisa - deve saber recrutar, selecionar, integrar, desenvolver, monitora...
O que é meritocracia e por que é difícil implantá-la Quando nós oferecemos nosso trabalho para as empresas, o que nós esperamos? Que sejamos recompensados ou reconhecidos pelo trabalho que oferecemos, certo? A meritocracia está relacionada com isso - reconhecimento, mérito. Meritocracia é um conjunto de valores que diz  que a posição de uma pes...