7 dicas para melhorar sua inteligência emocional no trabalho

Emoções sentidas e emoções demonstradas: um assunto delicado.

Há 20 anos, Richard D. Roberts, doutor em filosofia e psicologia pela Universidade de Sydney, dedica-se ao desenvolvimento de análise e avaliações emocionais e de personalidade. Autor de mais de uma dúzia de livros e de mais de 150 estudos científicos sobre personalidade e educação emocional, Richard deu entrevista à Época sobre a importância da educação emocional para o aprendizado e para o sucesso profissional das pessoas.

Ao falarmos de habilidades socioemocionais, falamos de traços de personalidade e habilidades universais, como perseverança, responsabilidade, abertura ao novo, ansiedade e amabilidade. Há cada vez mais evidências de que os traços de personalidade são importantes para a educação e também para outros aspectos da vida, como sucesso no trabalho, e até para predizer a expectativa de vida. A relação é bastante lógica. Quem tem um bom relacionamento com as pessoas, foco e propósito, vive melhor. Não mudamos nossas personalidades, mas podemos adquirir habilidades que equilibrem aspectos predominantes do nosso jeito de ser que podem nos atrapalhar.

 

Emoção e trabalho

Os problemas vividos hoje nas organizações mostram a urgência e a importância de se compreenderem as emoções, assunto tradicionalmente proibido e desqualificado. Muitas pesquisas atuais na medicina quântica, neurologia, psicologia e biologia estão mostrando a importância da integração das emoções para o equilíbrio intrapessoal e interpessoal. Essas pesquisas podem contribuir para a mudança das práticas gerenciais e das relações de poder nas organizações. A energia emocional é a propulsora da vida e, como tal, deve ser levada a sério para que as organizações não se transformem em fábricas de pessoas doentes, infelizes e estressadas.

Vemos hoje nas organizações o medo, tensões resultantes de conflitos e pressões, angústia, ansiedade e insegurança frente às incertezas, frustrações decorrentes de vivências negativas sucessivas, mau humor e ironia frente a incoerências, baixa autoestima, etc. Quando ignoramos esses problemas, eles tendem a aumentar, resultando em grandes perdas de produtividade e em enormes desgastes na saúde e na qualidade de vida dos empregados. Não humanizaremos as organizações sem integrar as emoções humanas positivas nas relações de poder.

Precisamos substituir o uso do medo pela vivência da alegria, que nos torna criativos, eficazes e saudáveis. O sucesso das organizações dependerá do estímulo às emoções positivas de seus membros em projetos desafiadores e significativos.

Montmartre, em seu artigo sobre “qualidades das emoções e vida profissional” (jun. 2004), faz algumas reflexões interessantes sobre as emoções no trabalho: “(…) Daí, precisamos falar sobre as emoções autênticas e sua importância para o ser humano: a alegria, o afeto, o medo, a tristeza e a raiva. Estas fazem parte do nosso ser biológico e são universais. Acontece que daí para frente, nos são ensinadas tantas outras emoções não autênticas, os chamados ‘disfarces’, que acabamos usando para justificar os papéis vividos no nosso dia-a-dia, entre eles a ansiedade, a irritação, os ciúmes, o desespero, a depressão e a insegurança”.

O grande problema é que, no ambiente de trabalho, usamos os disfarces para não sentirmos as nossas emoções autênticas, e, como não as sentimos, acabamos em contato com poderosos mecanismos de criação e desencadeamento do estresse. É claro que existem autores que dizem que o estresse é necessário, pois acaba levando o indivíduo a uma busca por fazer as coisas darem certo, de trazer resultados (para a empresa) sempre mais rápidos.

Outro problema que decorre dos disfarces é quando saímos do ambiente de trabalho e vamos para casa. Como estamos acostumados a viver papéis diferentes, acabamos criando, então, outros papéis dentro do próprio lar. Aí começa um novo problema: criamos jogos psicológicos nos quais envolvemos todos no ambiente familiar – pais, mães, irmãos, maridos, esposas – num jogo de papéis contínuo, que sempre fortalecem os nossos disfarces.

As 7 dicas para melhorar suas emoções e sua inteligência emocional no trabalho

Assim sendo, segundo Montmartre, vão algumas dicas para quem quer discutir e melhorar suas emoções e sua inteligência emocional no ambiente de trabalho:

1) Lembre-se que você é um ser único, indivisível, então, procure viver um papel só na sua vida, e não criar estereótipos para cada ambiente que você passa no decorrer dos dias. Afinal, à noite, você vai dormir e aguentar a si mesmo.

2) Saia da desculpa de que você não tem tempo. Lembre-se: o dia tem 24 horas.

3) Monte grupos para discutir sentimentos e emoções, se não for possível conversar sobre isso 15 minutos por semana no seu ambiente de trabalho.

4) Cuidado com o excesso de atividades. Tratar de muitos assuntos ao mesmo tempo causa estresse e irritabilidade entre as pessoas.

5) Não se exponha a situações que você não queira viver realmente. Por exemplo, se aquele programa de bom humor que a empresa bolou não lhe agrada, informe a sua chefia e, discretamente, não participe.

6) Tire ao menos duas horas por semana para você e faça aquilo que lhe dê prazer.

7) Controle o disfarce das emoções e viva adequada e intensamente as emoções autênticas de forma equilibrada. Esse é o melhor caminho para a prevenção e alívio do estresse no trabalho e na vida.

Fonte: Este post é uma adaptação do artigo sobre Emoção e Comportamento da Consultora de Gestão de Carreira e Professora da FDC e da VIDDIA, Clara Lúcia Sacchetto Linhares.

Assista aulas GRÁTIS sobre o assunto

Para se aprofundar mais sobre negociação, você pode assistir grátis às 3 primeiras aulas do curso online de Inteligência Emocional, ministrado pela professora Clara Linhares. Clique AQUI, veja o conteúdo do treinamento online e clique em Experimentar grátis!

Siga-nos no YoutubeFacebook, TwitterLinkedIn e Instagram, estamos sempre disponibilizando conteúdo gratuito de qualidade!

Publicações relacionadas


Você é competente? Conheça os 5 elementos que definem competência Você já deve ter ouvido dizer que os gestores estão contratando as pessoas com base nas capacidades técnicas e demitindo devido a atitudes não desejadas. Pois bem, o significado de competência envolve todos esses conceitos, e vale a pena conhecê-los. O que é uma pessoa competente na sua opini...
Sete atitudes de pessoas de sucesso no mercado de trabalho Um novo perfil de trabalhador está surgindo em função dos desafios impostos pelo mercado de trabalho. São profissionais confiáveis, mais autônomos, sem vínculos trabalhistas, mais flexíveis e preparados para trabalhar de forma colaborativa, somando competências. A consultora em recursos human...
Quatro motivos para você deixar de ser multitarefa agora mesmo Muitos de nós caímos na tentação de iniciar várias atividades ao mesmo tempo, principalmente quando temos uma longa lista de coisas a fazer e queremos ser produtivos, certo? Pois estudos das Universidades de Stanford, London e Sussex mostram que ser multitarefa é muito menos produtivo do que realiza...
Descubra como lidar com emoções para melhorar seus relacionamentos Este post é uma adaptação do artigo sobre Emoção e Comportamento da Consultora de Gestão de Carreira e Professora da FDC e da VIDDIA, Clara Lúcia Sacchetto Linhares. É impossível não se identificar com pelo menos meia dúzia de parágrafos escritos aqui. Certa vez, um palestrante em um cong...